Gostar


Existe uma conexão, uma linha tênue que uni as pessoas. Seja por afinidade, por gostarem das mesmas coisas, por se gostarem. Gostar de olhar o outro. Gostar de falar com o outro. Gostar de compartilhar com o outro. Gostar de ser lembrado pelo outro. Gostar de se lembrar do outro. Gostar de receber um convite do outro. Gostar de enviar um e-mail, com fotos e palavras bonitinhas. Gostar de gostar. Apenas porque gostar faz bem, alimenta a alma e alegra o coração.
Mas, o que fazer quando o gostar não parece ser compartilhado? Quando quem recebe as ligações, os e-mails, os abraços virtuais é sempre o outro? Desiste-se de alimentar a alma? Desiste-se do amigo? Não sou uma pessoa que desiste facilmente... mas.... e se o outro não se importa? Fico eu fingindo que também não me importo? Mesmo se o gostar seja só de longe..... muito longe? Forçar alguém a gostar de mim? Forçar alguém a ser meu amigo?
Não sei. Sigo gostando de gostar, porque eu simplesmente gosto..... e..... não vou negar isso..... nunca. Confuso??

2 comentários:

Edna Federico disse...

Acho que não se deve forçar o sentimento...se a pessoa não te retribui, é porque não merece o que você sente e faz por ela.
Simplista?
Talvez, mas verdadeiro!
Beijo

Renato Bueloni Ferreira disse...

Primeiro, adorei a foto do post.
Difícil este dilema. O gostar gratuito gera prazer em fazer o bem, mas por outro lado, fere quando não sente a reciprocidade. Por vezes, é melhor deixar que sintam a falta do gostar e quem sabe, percebam como o sentimento era precioso.
Valorizar-se em primeiro lugar. E se o outro não valoriza o gostar, vai perceber a perda e reavaliar.
bj