Viagem

Ela espera pelo próximo trem
Sem muito interesse com o que acontece
O trem chega e ela entra
Sem se importar para onde ele vai
Senta-se na janela e olha para fora
O trem sai
Chacoalha de lá e de cá
O trem para aqui e ali
Pessoas entram e sai
E ela fica ali, sentada
Olhando para fora
Vendo a paisagem passar
Casas, carros, árvores, pessoas
E ela olha
Espectadora
Mal se move
Não importa para onde olhe
Não importa para onde vá
Deixa o trilho levá-la
Espectadora
De sua própria vida...

Um comentário:

Tempestade Interior disse...

Faço duas interpretações.
1ª) Ela é realmente espectadora de sua vida, deixando tudo passar.
2ª) Ela, num momento reflexivo de sua vida, apenas deixa a vida fluir...
sem se importar com as exigências e opressões de uma sociedade manipuladora cheia de conceitos arcaicos e imutáveis, deixando-a sempre antiquada e preconceituosa; alheia às convenções, aos parâmetros de beleza... simplesmente se permitindo um momento só seu, no qual ela pode ser livre... ser quem ela é.

Grande abraço!!