Anjo


Tive a idéia de escrever este texto há algum tempo atrás, mas o assunto simplesmente saiu da minha mente, havia me esquecido completamente e assim como saiu da minha mente ele voltou agora, nem sei porque, só sei que esse assunto não sai da minha cabeça, então e melhor escreve-lo logo, vamos a ele.

Eu estava sentada em um banco duro de concreto, com o bumbum gelado, sentindo frio, pois ao sair de casa achei que o dia seria quente e me enganei profundamente. Havia me levantado bem cedo, na realidade, para mim acordar as 5:40 da manhã é acordar de madrugada e acho que essa foi a razão do meu engano, devo ter saído ainda sonolenta de casa.


Voltando ao banco... gelado, duro, bumbum doendo, sentindo frio, estava ao lado de minha filha mais velha e sabíamos que ficaríamos várias horas naquela condição, então levamos algumas coisas para nos distrairmos, ela levou algumas bonequinhas e eu levei um livro e o estava lendo para passar o tempo. Foi quando vi uma pessoa passar por mim, ela não me viu, cumprimentou algumas pessoas que estavam em pe e entrou em uma sala.


Voltei no tempo, viajei e lembrei como a conheci. Eu estava passando por um momento muito difícil de minha vida, me sentia a pior das pessoas, a pior das mães, incapaz, incompetente, perdida e frustrada. Então ela surgiu em minha vida, apresentada por uma pessoa que eu nunca havia visto na vida, só havíamos conversado por telefone, sabe aquelas coisas de a prima do vizinho, que é tia da fulana, que conhece alguém que pode te ajudar? Foi assim, duas pessoas totalmente estranhas entraram na minha vida, me mostraram que eu não estava sozinha, que minha filha não estava sozinha e qual direção eu devia tomar.


Ela, uma médica, professora de uma universidade, chefe do ambulatório de endocrinologia, me ouviu, me explicou tudo o que estava acontecendo e se prontificou a me ajudar, ou melhor, a nos ajudar. Eu já estava levando minha filha ao médico, mas é incrível como aquilo me fazia mal, cada vez que eu ia à aquele ambulatório eu voltava mal, mas muito mal mesmo, aquele lugar sugava todas as minhas forcas, quando eu chegava em casa, tomava um banho e me deitava o resto do dia, não sei explicar, era horrível, não conseguia trabalhar, me sentia esgotada.

Ela então se prontificou em transferir o prontuário de minha filha para seu ambulatório e passar a atendê-la, pois era a área que ela atuava, estava engajada em ajudar meninas com o mesmo problema de minha filha e inclusive estava planejando montar um grupo de apoio.

E isso vem acontecendo desde então, acho que já faz uns cinco anos que isso aconteceu, e me fez tão bem, não me sinto mais vazia, não me sinto mal, sei que toda vez que vamos até lá temos que esperar bastante tempo, que o atendimento não é VIP, mas isso não me incomoda, sei que estamos no local correto, que é um centro de referência e que minha filha não poderia estar em melhores mãos.

Voltando novamente ao banco....: depois de me lembrar de tudo isso, pensei: Eu já vi um anjo e ele acabou de passar por mim.

Não estou louca, não me refiro ao anjo, ser divino que vive ao lado de Deus, me refiro a pessoas que sem saber fazem o papel de um anjo, te ajudam em momentos onde tudo parece negro, e que talvez nunca saberão que foram instrumentos de Deus. Essa pessoa entrou em minha vida, me ajudou e continua a ajudar-me, embora faca parte de sua profissão e seja algo tão comum para ela, se tornou meu anjo sem me pedir nada em troca.

Em um determinado momento ela me viu, acenou para mim e sorriu. Só isso, nada mais, acho até que ela nem se lembra qual é o meu nome, mas isso não importa e não preciso de mais nada para dizer que eu já vi um anjo.

Minha definição de anjo é essa: anjo = pessoas comuns movidas pela vontade de ajudar ao próximo.

E você já viu seu anjo? Pense bem...


ou


talvez você já tenha sido o anjo de alguém e nem se deu conta...
imagem: www.conselhonet.com.br

2 comentários:

Edna Federico disse...

Amiga, algumas coisas a comentar:
Você um dia me falou do problema da sua filha...confesso que não me lembro direito, mas sei que não é muito comum, né?
Imagino que você tenha passado por uma fase complicada, quando não sabia o que fazer para ajudá-la, mas agora fico feliz que tenha encontrado um caminho...tenha fé!
Sobre anjos...sim, já encontrei alguns em meu caminho e é algo que não dá pra explicar.
De repente aparece uma pessoa, do nada e é como se a gente a conhecesse a vida toda.
Beijo

Margarete disse...

Oi Edna, estou preparando um post falando sobre esse "problema", que muitas vezes não é conhecido nem pelos médicos. Alguns as vezes se lembram de ter estudado, ainda na época da faculdade e isso acaba deixando as mães meio desamparadas...